Como é pedalar no Parque Villa Lobos?

Um dos parques mais famosos da cidade de São Paulo certamente é o Parque Villa Lobos. Localizado na zona oeste da cidade, é um parque relativamente novo: começou a ser concebido no fim dos anos 80 (antes era um lixão) e começou a tomar suas formas atuais nos anos 2000, tendo sido reinaugurado em 2006. É administrado pela Secretaria de Meio Ambiente do Governo do Estado de São Paulo e posso dizer que está, quando de minha última visita, bem cuidado. Um ponto interessante é que o parque tende a se tornar cada vez mais bonito a medida em que as árvores, plantadas há 15 anos, se desenvolvam.

Contarei neste post como é a experiência de pedalar no local, compartilhando dicas e experiências adquiridas ao longo de diversas visitas que fiz ao local.

Aliás, embora costumemos falar muito de “Parque Villa Lobos”, há um parque colado chamado “Candido Portinari” que acaba funcionando como uma extensão do parque, pois há acessos e estacionamentos compartilhados. O complexo funciona de terça a domingo das 10h00 às 19h00 – durante o horário de verão, por vezes o horário é estendido até as 20h00 – se informe antecipadamente.

Chegando no Parque Villa Lobos

O Parque é bastante acessível de transporte público, bicicleta ou mesmo de carro:


O complexo formado pelos parques Villa Lobos e Cândido Portinari conta com sete portarias: as mais importantes são a portaria nº 01, acesso mais utilizado para quem vai de trem e a portaria nº 04, também chamada de portaria principal. Vale a pena baixar o mapa do parque em seu celular ou imprimi-lo – sem dúvida, facilita para conhecer as atrações.

Para quem vai pedalando

Há a ciclovia da Av. Professor Fonseca Rodrigues, de boa qualidade, disponível na porta do parque. A ciclovia permite conexão com a Ciclovia da Faria Lima e até mesmo com a Ciclovia Marginal Pinheiros, via Ponte Cidade Universitária.

Para quem vai de carro

O local conta com estacionamento gratuito, embora normalmente existam “flanelinhas”.

Para quem vai de trem

Desça na Estação Villa Lobos – Jaguaré da Linha 9-Esmeralda da CPTM. Há uma passarela de acesso direto ao Parque Cândido Portinari, o qual está conectado ao Villa Lobos.

Pedalando no Parque Villa Lobos

A estrutura cicloviária do complexo é composta de 4.630m de ciclovias: 3.500m no Parque Villa Lobos e 1.130m no Parque Candido Portinari, praticamente placas e com bom asfalto. É um ótimo local para iniciantes ou para levar seus filhos.

É possível pedalar com sua própria bicicleta, alugar uma no serviço disponível na Portaria Principal (R$ 10 por 1 hora, cadastro simples com RG/CPF, aceita cartão de débito) ou emprestar nos serviços do Bike Sampa/Itaú (até 1 hora sem custos, estação 129 fica próxima da portaria 7 do parque) ou do CicloSampa/Bradesco (até 30 minutos sem custos, estação Parque Vila Lobos fica próxima da portaria 4, a principal).

Bicicleta que aluguei durante minha visita 🙂

Aos finais de semana o parque costuma lotar e pedalar pode não ser tão prazeroso, além de haver maior restrição de circulação de bicicletas fora das ciclovias. Minha última visita ocorreu em dia útil e foi bastante interessante, pois o parque não estava tão cheio e foi possível pedalar em praticamente todos os locais, inclusive nas “trilhas” (caminhos não asfaltados).

Há uma lanchonete principal e diversos “food-trucks” próximo ao portão principal do Villa Lobos. Há bebedouros diversos espalhados e também não há problemas em achar um local para estacionar a bicicleta: há muitos paraciclos espalhados no parque.

Uma recomendação, inclusive, é não apenas pedalar. No miolo do parque há um conjunto de trilhas denominado “Vá pela sombra” – trata-se de um trecho em que as árvores estão bem desenvolvidas e oferece proteção quase total do sol e calor – muito bonito!

Trilha “Vai pela sombra”

 

Pontos de atenção

A área interna dos parques é bastante monitorada. Nas áreas externas, tome cuidado ao pedalar em direção ao CEAGESP ou à Ponte do Jaguaré – áreas em que costumeiramente são reportados assaltos e roubos.

Links de interesse

Apresento abaixo links para sites externos que podem ser interessantes para quem vai conhecer o parque:

Fotos de minha visita em 23/12/2016

Comentários

comentários